• O nome Bandidos do brasil foi frequentemente atribuído ao número. Encontre mais números identificados como Bandidos do brasil no fim da página.

Bandidos do brasil 018997491415 / +5518997491415

Tipo: Tentativa de golpe
Nome: Bandidos do brasil mais...
Classificação: 20 (excluído: 31)
Pesquisas: 1105
Avaliação: Número suspeito, confira os comentários antes de atender!
Comentário mais recente (12/02/24 19:59)

Cianeto escreveu: Como o mundo dar voltas né Sr corote residente em Presidente Epitacio CP 19470000...Rua Curiti... todos

Submeter classificação própria
Uma vez logado, você será capaz de reconhecer e bloquear os chamadores revisados ​​em todos os seus telefones. Além disso, você ajuda a comunidade com sua classificação do número!

Detalhes sobre este número

Região: Presidente Prudente, São Paulo - Brasil
Número: 018-997491415
Internacional:
Número de telefone +5518997491415 de Presidente Prudente, São Paulo marcado como Tentativa de golpe 20 vezes.

Proprietário/endereço: Saiba mais
Todas as informações são fornecidas sem garantia!

Estatísticas de busca

Estatísticas de busca

Tendências

Pesquisas último mês: 1
tellows proteção:
A lista negra é utilizada por aplicações e telefones para detectar e bloquear chamadas indesejadas. Mais números: 08000008968 +554724 08002020114 054920014373 081997870034
Dados de busca:
Pesquisas inconstante e frequentes durante dias úteis

Atenção, 018997491415 foi classificado negativamente.

  • Avalie o número e ajude a comunidade
  • Identifique e bloqueie as ligações deste número automaticamente mais
  • Descubra mais informações e recomendações em nosso blog/revista mais
O tellows te ajuda a identificar números telefônicos, garantindo a proteção contra chamadas indesejadas. Milhões de usuários evitam chamadas irritantes e perigosas com a ajuda da nossa plataforma desde 2010.

tellows Score para +5518997491415

Tipos de chamadas e possíveis nomes com base nas avaliações

Tipo:
Tentativa de golpe
20 Relato
Nome:
Vagabundo
7 Relato
Bandidos do brasil
6 Relato
Bandidos
3 Relato
desconhecido
1 Relato
Bandidos Do Brasil
1 Relato
018997491415 bandido do brasil (1) +5518997491415 bandidos (1)
Número de telefone +5518997491415 de Presidente Prudente, São Paulo marcado como Tentativa de golpe 20 vezes: Como  o mundo  dar voltas né Sr  corote ... 1105 pesquisas em tellows, a comunidade online anti-spam.

Localização aproximada do número

Clique no mapa para ampliar

Deixe seu comentário e bloqueie o número

Quem liga de 018997491415?


  1. 0

    Cianeto avaliou desconhecido (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    12/02/24 19:59 de Android App

    Como o mundo dar voltas né Sr corote residente em Presidente Epitacio CP 19470000...Rua Curitiba Próximo ao os Correios
    OBS VC VAI LEVAR UM CHUTE DA BUNDA E O OUTRO SAFADO DO SR OSMAR GUIMARO ..... Aqui se faz aqui se paga né?? Assim que fomos chutados dessa casa aí passou um tempinho o seu queridinho safado morreu de acidente de moto na orla .... Dei gracas as anjos que ele foi para o inferno o Vulgo POPO né..OBS E AS JOGATINAS QUE ROLA AI NA SUA CASA ONDE VAI GENTE INFLUENTE DA SOCIEDADE DESSA CIDADE LIXO DOS LIXOS ..JOGATINA ONDEV VOCE RECEPCIONA PILICIAI S E OUTROS QUE EU CONHECO MUITO BEM... BEM FEITO SEU MAFIOSO EPITACIANO SAFADO PAGA PAU DE POLICIAIS .....VOCE NAO SABE A FELICIDADE QUANDO O SEU SAFADOO VOLGO POPO ESTOUROU OS MIOLOS COM A SUA QUERIDINHA MOTO



    Como o mundo dar voltas né Sr corote residente em Presidente Epitacio CP 19470000...Rua Curitiba Próximo ao os Correios
    OBS VC VAI LEVAR UM CHUTE DA BUNDA E O OUTRO SAFADO DO SR OSMAR GUIMARO ..... Aqui se faz aqui se paga né?? Assim que fomos chutados dessa casa aí passou um tempinho o seu queridinho safado morreu de acidente de moto na orla .... Dei gracas as anjos que ele foi para o inferno o Vulgo POPO né..OBS E AS JOGATINAS QUE ROLA AI NA SUA CASA ONDE VAI GENTE INFLUENTE DA SOCIEDADE DESSA CIDADE LIXO DOS LIXOS ..JOGATINA ONDEV VOCE RECEPCIONA PILICIAI S E OUTROS QUE EU CONHECO MUITO BEM... BEM FEITO SEU MAFIOSO EPITACIANO SAFADO PAGA PAU DE POLICIAIS .....VOCE NAO SABE A FELICIDADE QUANDO O SEU SAFADOO VOLGO POPO ESTOUROU OS MIOLOS COM A SUA QUERIDINHA MOTO







    Como o mundo dar voltas né Sr corote residente em Presidente Epitacio CP 19470000...Rua Curitiba Próximo ao os Correios
    OBS VC VAI LEVAR UM CHUTE DA BUNDA E O OUTRO SAFADO DO SR OSMAR GUIMARO ..... Aqui se faz aqui se paga né?? Assim que fomos chutados dessa casa aí passou um tempinho o seu queridinho safado morreu de acidente de moto na orla .... Dei gracas as anjos que ele foi para o inferno o Vulgo POPO né..OBS E AS JOGATINAS QUE ROLA AI NA SUA CASA ONDE VAI GENTE INFLUENTE DA SOCIEDADE DESSA CIDADE LIXO DOS LIXOS ..JOGATINA ONDEV VOCE RECEPCIONA PILICIAI S E OUTROS QUE EU CONHECO MUITO BEM... BEM FEITO SEU MAFIOSO EPITACIANO SAFADO PAGA PAU DE POLICIAIS .....VOCE NAO SABE A FELICIDADE QUANDO O SEU SAFADOO VOLGO POPO ESTOUROU OS MIOLOS COM A SUA QUERIDINHA MOTO



    Como o mundo dar voltas né Sr corote residente em Presidente Epitacio CP 19470000...Rua Curitiba Próximo ao os Correios
    OBS VC VAI LEVAR UM CHUTE DA BUNDA E O OUTRO SAFADO DO SR OSMAR GUIMARO ..... Aqui se faz aqui se paga né?? Assim que fomos chutados dessa casa aí passou um tempinho o seu queridinho safado morreu de acidente de moto na orla .... Dei gracas as anjos que ele foi para o inferno o Vulgo POPO né..OBS E AS JOGATINAS QUE ROLA AI NA SUA CASA ONDE VAI GENTE INFLUENTE DA SOCIEDADE DESSA CIDADE LIXO DOS LIXOS ..JOGATINA ONDEV VOCE RECEPCIONA PILICIAI S E OUTROS QUE EU CONHECO MUITO BEM... BEM FEITO SEU MAFIOSO EPITACIANO SAFADO PAGA PAU DE POLICIAIS .....VOCE NAO SABE A FELICIDADE QUANDO O SEU SAFADOO VOLGO POPO ESTOUROU OS MIOLOS COM A SUA QUERIDINHA MOTO

    Gostou na época de ver um parente seu em um caixão seu LIXO ..voce não sabe a alegria que eu senti quando fiquei sabendo da morte VULGO POPO LIXO .....PE NA BUNDA SAFADO CAIA FORA DA CASA ..NÃO É BOM ??


  2. 0

    Cianeto avaliou Bandidos Do Brasil (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    22/12/23 13:36

    bandidos profissionais formados na melhor faculdade . A faculdade. A faculdade BRASIL A MELHOR FACULDADE DA AMÉRICA LATINA. RESPEITADA INVEJADA EM TODOS OS PAÍSES. MUITOS DESSES DE OUTROS PAÍSES VÊM PRA CÁ ESTUDAR NESSA FACULDADE,QUE É RESPEITADA NO MUNDO TUDO,ONDE OS PROFESSORES SÃO OS POLÍTICOS JUNTOS CONECTADOS COM FACÇÕES MILICIANOS ETC .


  3. 0

    Cianeto avaliou Bandidos do brasil (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    17/09/23 13:57

    Vagabundo de Prudente


  4. 0

    Cianeto avaliou Bandidos do brasil (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    14/09/23 18:21 de Android App

    Bandidos do brasil


  5. 0

    Investigador Cianeto avaliou Bandidos do brasil (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    14/09/23 18:03

    +5518997491415 bandidos do brasil


  6. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    18/07/23 17:51

    Bandidos do brasil


  7. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    11/07/23 17:09

    Vagabundo


  8. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    01/07/23 05:45

    Bandidos lá de Presidente Prudente


  9. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    12/05/23 09:32

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  10. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    12/05/23 09:29

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  11. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    12/05/23 09:26

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  12. 0

    Cianeto avaliou Vagabundo (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    28/02/23 10:05

    InvestimentosFinanças PessoaisEmpreenderSimule suas DespesasGrãoSobre

    Por Conrado Navarro8 anos atrás

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  13. 0

    Cianeto avaliou Bandidos (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    24/02/23 10:20

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  14. 0

    Cianeto avaliou Bandidos do brasil (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    24/02/23 10:12

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  15. 0

    Cianeto avaliou Bandidos (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    03/02/23 11:50

    InvestimentosFinanças PessoaisEmpreenderSimule suas DespesasGrãoSobre

    Por Conrado Navarro8 anos atrás

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  16. 0

    Cianeto avaliou Bandidos do brasil (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    08/10/22 08:55

    Por Conrado Navarro8 anos atrás

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  17. 0

    Cianeto avaliou 018997491415 bandido do brasil (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    08/10/22 08:53 de Android App

    018997491415 bandido do brasil


  18. 0

    Cianeto avaliou Bandidos do brasil (‎+5518997491415) como Tentativa de golpe

    27/08/22 08:21

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema


  19. 0

    Cianeto avaliou Bandidos (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    24/06/22 13:03

    InvestimentosFinanças PessoaisEmpreenderSimule suas DespesasGrãoSobre

    Por Conrado Navarro7 anos atrás

    Cuidado com as Pessoas que Moram no FacebookCuidado com as Pessoas que Moram no Facebook. É cada vez maior o número de pessoas que cria um mundo fantasioso de ostentação, inveja e marketing pessoal. Faz sentido?

    Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

    Aprenda a investir do zero com os melhores

    Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

    Facebook, o país ideal?

    Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

    Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

    O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

    Lembranças ou “likes”?

    O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

    Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

    Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

    Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

    “Curtir” é facil, mas e viver?

    Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

    Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

    O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

    As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

    Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;Conclusão

    Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

    Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

    Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

    O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema?


  20. 0

    Cianeto avaliou +5518997491415 bandidos (‎018997491415) como Tentativa de golpe

    24/06/22 13:01 de Android App

    +5518997491415 bandidos

Nova classificação para 018997491415




Quero receber informações quando esse número for atualizado.

 
Quer deixar um comentário?
Já recebeu ligação deste número e quer descobrir quem ligou? Deixe um comentário. Com a sua ajuda, registramos o número e o autor da chamada e podemos descobrir quem está por trás das ligações. Por favor, confira nossos termos de uso! Saiba mais sobre o tellows. Se você é o proprietário do número ou se possui informações adicionais sobre a empresa, use a listagem especial da empresa para obter mais detalhes.
Números com o mesmo nome de chamador
Outros números que podem ser atribuídos ao chamador "Bandidos do brasil"
Números de telefone mais buscados com 018 (Presidente Prudente, São Paulo)
Possíveis variações do número 018997491415
‎(018)997491415
‎018-997491415
‎+5518997491415
‎(018 ) 9974-91415
‎(0)18 9974 91415
‎+55 18 997491415
‎+5518997491415
‎(+55) 18 9974-91415
‎(0055) 18 9974-91415
‎(0055)18997491415
‎(0)18 997491415
‎0055 18 9974-91415